Variante da covid descoberta em Manaus ainda sofre mutações, afirma cientista

Variante da covid descoberta em Manaus ainda sofre mutações, afirma cientista

O cientista Felipe Naveca, um dos descobridores da variante do coronavírus originada em Manaus e identificada como P1, alerta que ela continua a passar por mutações. Em entrevista ao jornal O Globo  nesta 4ª feira (2.jun.2021), ele disse que “mudanças na P1 podem torná-la resistente ao ataque do sistema imunológico e, talvez, às vacinas”.

Felipe é vice-diretor de Pesquisa e Inovação do Instituto Leonidas e Maria Deane (Fiocruz/Amazônia) e um dos organizadores do estudo que analisou o genoma de vírus extraídos de 250 pessoas que tiveram o quadro grave de covid-19, no Amazonas. As amostras foram coletadas no período de março de 2020 a janeiro de 2021. A pesquisa foi publicada na revista científica Nature. Eis a íntegra, em inglês (7,6 MB).

De acordo com ele, “o distanciamento social insuficiente” resultou no surgimento de variantes do coronavírus. As eleições municipais e o início do inverno na região foram fatores que ajudaram na mutação. “Ela emergiu e se espalhou num cenário perfeito. Primeiro as eleições, depois o início do inverno amazônico (em fins de novembro), quando as pessoas ficam mais tempo aglomeradas em função da chuva e é tradicionalmente a estação dos vírus respiratórios. Em seguida, Natal e Ano Novo. O vírus muta, mas ele foi ajudado por todos esses fatores”.

Para Felipe, o risco de uma 3ª onda “é muito real” por causa da baixa vacinação, do pouco uso de máscara e da falta de distanciamento. “Vemos sinais de uma possível terceira onda começando no Nordeste, em especial, em Pernambuco. Em Manaus, temos cerca de um terço da população que não foi exposta ao coronavírus e está vulnerável”, disse o cientista.

Fonte: poder360

Leia Mais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *