Prefeito Bruno Covas encerra licença médica no Maracanã

Reprodução

Licença médica no Maracanã – O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), encerrou nesta sexta-feira (29) uma licença médica de 10 dias. Aparentemente recuperado, Bruno Covas foi um dos 5 mil torcedores autorizados a assistir à final da Copa Libertadores neste sábado (30), no Maracanã. De acordo com imagens e informações que circularam em redes e portais de notícias, a condição prevista pela Conmebol (confederação responsável pela competição) não parece ter sido cumprida. Para admitir essa cota de convidados no estádio, a entidade exigia distanciamento para evitar aglomeração.

Licença médica no Maracanã

Bruno Covas vem fazendo tratamento de um câncer, diagnosticado em outubro de 2019, na cárdia, região entre o esôfago e o estômago. O prefeito passou por sessões diárias de radioterapia nos últimos dias de 2020. No dia 19 de janeiro, o Diário Oficial do Município publicou o pedido de afastamento por 10 dias. A publicação foi acompanhada de recomendação de repouso feita pela equipe médica que o acompanha, depois de uma sessão extra de radioterapia naquele dia. Não há informação oficial se Covas poderá retornar ao trabalho nesta segunda, depois do período de interinidade de seu vice, Ricardo Nunes (MDB).

Resultados sofríveis

No Maracanã, o santista Bruno Covas viu seu time perder para o Palmeiras em jogo sofrível, de pouco futebol. Com muita marcação e pouca criação de ambos os lados, o gol do Palmeiras foi marcado aos 54 minutos do segundo tempo. Pouco tempo depois de o técnico Cuca, do Santos, ser expulso por disputar fora de campo a bola com o lateral-direito do Palmeiras Marcos Rocha. O cartão vermelho – exagerado – ao técnico desconcentrou sua equipe, que vacilou em um cruzamento do atacante Roni para o Breno Lopes marcar.

O jogador havia entrado minutos antes. Com o resultado, o Palmeiras representará o futebol sul-americano no Mundial de Clubes da Fifa, no Catar. Jogará no próximo domingo (7) contra o vencedor da partida entre Tigres (México) e Ulsan Hyundai (Coreia do Sul). O país com melhor desempenho no combate à pandemia, a Nova Zelândia, não terá o time o do Auckland City na competição. Em respeito às novas recomendações de combate à covid-19, o campeão da Oceania decidiu ficar de fora.

Embora tenha se apresentado durante a pandemia como um político cauteloso, o gesto de viajar ao Rio de Janeiro e entrar num estádio de futebol é condizente com a conduta da prefeitura de São Paulo. Na prática, a gestão municipal, embora adote discurso diferente do presidente Jair Bolsonaro, não vem empreendendo esforços para com as recomendações de isolamento social e enfrentamento de aglomerações. O prefeito deu neste sábado um mau exemplo.

País doente

Isso no dia em que o país contou 58.462 casos de covid-19, além de 1.279 mortes. O Brasil chegou a 9,2 milhões de contaminados e 224 mil vidas perdidas, sendo 53 mil dessas mortes no estado de São Paulo. Proibidos pela Conmebol de “erguer a taça”, o também santista João Doria (PSDB), governador do estado, e o presidente da República, Jair Bolsonaro, dito palmeirense, não foram ao Maracanã.

O post Prefeito Bruno Covas encerra licença médica no Maracanã apareceu primeiro em Rede Brasil Atual.

Leia Mais:

Flávio Bolsonaro tem encontro com Neymar no Rio

Cruzeiro empata com o CRB fora e encerra série de vitórias

Detran prorroga prazo de licença de 2021; confira calendário

Decisão inédita da Justiça dá licença-paternidade

Rússia e Bulgária fecham Mundial de Ginátisca Rítmica com vitórias 

po

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *