“Maior investimento da história de MT” – Para Quem??

O governador Mauro Mendes afirmou que o bom desempenho econômico das contas do Executivo relativas a 2020 vai permitir a execução de uma série de investimentos previstos no programa Mais MT, o que o governador não diz é a mentira sobre o déficit utilizada para massacrar aposentados, cuja cobrança levantou quase 1 bilhão em recursos.

O balanço das contas do ano passado foi entregue pelo gestor ao Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT), na tarde desta quarta-feira (03.03).

Um dos pontos positivos do relatório está na manutenção do superávit financeiro já conquistado em 2019, ou seja, o Estado cortou despesas, aumentou receitas e fechou novamente “no azul”. Até então, há praticamente uma década o Governo de Mato Grosso gastava mais do que arrecadava, e poderia estar em melhor situação se não fossem os 8 bilhões de incentivos e isenções ao agro sem retorno à população!

“Nós tivemos em 2020 mais receita do que despesa. Arrecadamos mais do que gastamos. E isso vai significar em 2021 o maior programa de investimento da história do Estado de Mato Grosso, diz o governo, porém o que a população quer saber é sobre os principais beneficiários, pois estradas recuperadas ou construídas normalmente são obras realizadas onde há um circuito de interesses do agro, a população se beneficia de forma secundária não sendo o mote intencional prioritário.

Mauro ainda disse que Hospitais serão reconstruídos, estradas recuperadas, estradas construídas, pontes, escolas, recuperação da infraestrutura em todas as áreas, e a própria administração pública vai receber grandes melhorias, que vai traduzir em maior qualidade de vida aos mato-grossenses”, relatou o governador, que tenta mais uma vez enganar a população em benefício de alguns setores que obviamente devem manter a mamata controlando Hospitais, recebendo manutenção de estradas e pontes para escoamento de sua produção para baratear o custo, enquanto a população sofre a míngua perdendo seus empregos e convivendo com um vírus letal sem apoio do Governo Estadual que não tem capacidade de gerir a coisa pública, cuja saúde deveria ser regionalizada e não usada como mote político, fazendo com que as demandas da área explodam em Cuiabá para politizar a pandemia.

“Esse resultado deve nos colocar com nota máxima, o que poucos estados têm (CAGED). Isso é fruto de muito trabalho conjunto entre nossa equipe, servidores e o apoio fundamental que recebemos da Assembleia Legislativa, Poder Judiciário, Tribunal de Contas e da sociedade”, registrou. E que fique registrado mesmo para que todos se lembrem que o acordo conjunto de perseguição aos servidores públicos da ativa com seus salários defasados desde 2018 sem recomposição (RGA), aposentados tendo seus proventos saqueados para aumentar o caixa e propiciar a continuidade de incentivos e isenções fiscais a milionários, que se tornam cada vez mais ricos chegando até mesmo a torrarem com times de futebol as custas da mamata pública deve ser lembrado!

“Só com os investimentos previstos para 2021 e 2022, o Estado vai gerar – por meio das empresas contratadas – 53 mil empregos. Em um momento de pandemia, o Governo de Mato Grosso está fazendo a diferença”, citou o governador e sabemos que realmente faz a diferença para empresários que lidam com o governo prestando serviços…

Mas não cita que em 2022 haverá eleições e deixaram o megaprojeto  propositalmente para lançar agora, não acham um pouco estranho? Algo meramente eleitoreiro ao que parece e como citei, nada é por acaso e não há benefício direto para a população, pois sempre os maiores beneficiados são os que estão no caminho das obras realizadas. Construir Escolas sem valorizar profissionais não reflete em uma educação de qualidade, construir hospitais sem planejamento de Estado, não irá valorizar e promover condições dignas de trabalho e, consequentemente não irá melhorar a saúde para o usuário do SUS que necessita e que terá que continuar tendo que se deslocar de rincões afastados para vir a capital, pura demagogia de um governo eleito a base de fakenews para atender grupos privilegiados do Agro e seus amigos, isso é claro e notório quando vemos o orçamento dedicado à incentivos e isenções fiscais.

Participaram do ato de entregua do balanço pelo gestor ao Tribunal de Contas do Estado, os conselheiros Valter Albano, José Carlos Novelli, Antonio Joaquim, Campos Neto, Luiz Henrique Lima, Luiz Carlos Pereir; o procurador-geral de Contas, Alisson Carvalho; e o controlador-geral do Estado, Emerson Hideki.

Marcio Rios com informações do cuiabanonews

Leia Mais:

Artigo: Para Mendes Aposentado não têm valor, o Agro Sim

Brasil como um experimento de perversão bolsonarista inédito na história

Opas diz que vacinação lenta na América Latina favorece surgimento de novas variantes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *