Governo do RS centraliza decisão sobre protocolos de distanciamento em todo o estado

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), anunciou, nesta quinta-feira (25), a suspensão, por sete dias, do sistema de cogestão regional de Distanciamento Controlado para o combate à covid-19. Agora, as 30 regiões do estado não possuem autonomia para decidir que protocolos adotar, devendo seguir aquilo que for orientado pelo governo do estado para cada uma delas. A suspensão vale deste sábado (27) até 7 de março.

A suspensão do sistema de cogestão vinha sendo cobrada por diversas entidades do estado durante esta semana. No modelo suspenso, cada uma das 30 regionais, que congregam municípios vizinhos, definia as medidas regionais a serem adotadas, indicando o nível de gravidade da pandemia por meio das bandeiras de cor amarela, laranja, vermelha ou preta.

O sistema de cogestão foi suspenso devido à velocidade de propagação da pandemia, com esgotamento da capacidade de atendimento e internação.

:: Covid-19: comitê pede que RS adote gestão unificada e bandeira preta em todo o estado ::

Bandeira preta

O governador anunciou ainda que o avanço da pandemia nesse ritmo levará, inevitavelmente, a que todo o estado esteja rapidamente em bandeira preta. Além disso, frisou que os protocolos de bandeira preta não são lockdown, afastando nesse momento medidas de proibição de circulação na rua, e que o momento é de tentar reduzir os contágios.

Sobre a possibilidade de as prefeituras discordarem dos protocolos e tentarem seguir determinações próprias, Eduardo Leite afirmou estar confiante na colaboração dos municípios, afirmando que o Ministério Público é parceiro na fiscalização do cumprimento das medidas. Eventuais medidas contrárias ou desobediência poderão ser responsabilizadas, afirmou também o governador.

Acompanhando o governador, o vice-governador, Ranolfo Vieira Júnior, também se pronunciou afirmando que as forças de segurança do estado estarão atuando em conjunto para o cumprimento das medidas de contenção da pandemia, seguindo um protocolo estabelecido em conjunto, para todo o território gaúcho.

:: Após sobrecarga do sistema de saúde, Melo adota medidas para tentar conter contágios ::

Confira a live com as informações da mais recente pesquisa de prevalência do vírus no estado, quando o governador anunciou a suspensão da cogestão:

RS aciona último nível de plano emergencial

Diante de uma ocupação superior a 90% dos leitos de UTI no RS e de números negativos que aumentam a cada novo dia, a Secretaria da Saúde (SES) acionou, nesta quinta-feira (25), o último nível da fase 4 do Plano de Contingência Hospitalar, montado no início da pandemia.

Além da suspensão imediata das cirurgias eletivas (com exceção das cirurgias de urgência ou que representem risco para o paciente), deverão ser instalados leitos emergenciais em salas de recuperação e em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) intermediárias. Junto à ocupação dessas áreas a serem disponibilizadas, deverão também ser acionadas as equipes técnicas desses setores, especialmente as equipes médicas e de enfermagem.

Conforme indicava o mapa de leitos no início da tarde desta quinta-feira (25), 2.698 leitos de UTI estavam ocupados no RS, incluindo leitos com atendimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e os privados, a maior taxa de ocupação da pandemia. A lista de espera por leitos em UTI também só cresce. No dia 13 de fevereiro, dois pacientes em estado gravíssimo aguardavam transferência para um leito de UTI. Nesta quinta, o número de pacientes com risco de morte esperando atendimento de UTI é de 30. Outro dado preocupante é cerca de 60% dos pacientes que internam em UTIs morrem.

:: RS totaliza 624.831 pessoas infectadas e 12.149 mortes por covid-19 ::

Centro de Operações em Emergência lança alerta máximo

O Centro de Operações em Emergência (COE), do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), publicou um alerta máximo à população gaúcha, também nesta quinta-feira (25), sobre o aumento da transmissão da Covid-19 no Rio Grande do Sul.

O documento recomenda e reafirma ações efetivas que possam diminuir a transmissibilidade do coronavírus a partir do comportamento individual e coletivo na sociedade gaúcha.

Recomendações:

1. Diminuir a circulação de pessoas
a. Ficar em casa
b. Respeitar o distanciamento físico de dois metros entre pessoas que moram em casas diferentes
c. Evitar/não realizar reuniões públicas, viagens ou atividades não essenciais

2. Identificar e isolar pessoas sintomáticas ou casos suspeitos de covid-19
a. Testar pessoas sintomáticas ou contactantes de forma ativa e oportuna
b. Garantir isolamento de todas as pessoas com caso suspeito ou confirmado

3. Usar de forma adequada as máscaras e higienizar as mãos

Eduardo Leite suspendeu por sete dias, nesta quinta (25), sistema de cogestão, em que as 30 regiões tinham autonomia.

Brasil de Fato

Leia Mais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *