Eleições no Chile: Esquerdista Gabriel Boric é eleito presidente no segundo turno

Eleições no Chile: Esquerdista Gabriel Boric é eleito presidente no segundo turno

EPA / ALBERTO VALDES

Gabriel Boric, de 35 anos, ganhou as vantagens no segundo turno

O político de esquerda Gabriel Boric, de 35 anos, foi eleito presidente do Chile neste domingo. Ele venceu José Antonio Kast, de direita. Até às 20h, cerca de 83% das urnas foram sido apuradas.

Kast admitiu a derrota em uma publicação no Twitter. “Acabei de falar com Gabriel Boric e o parabenizei por sua grande vitória. A partir de hoje ele é o presidente eleito do Chile e merece todo o nosso respeito e colaboração construtiva. O Chile sempre vem em primeiro lugar”, escreveu.

Com 83% das urnas apuradas, Boric tinha 55,52% dos votos, ante 44,48% de Kast, que havia vencido o primeiro turno em 21 de novembro.

Boric vai assumir o cargo em março do ano que vem.

“Todos esperamos que ele tenha um bom governo para o Chile”, disse o atual presidente, Sebastián Piñera, em telefonema a político eleito.

A vantagem de Boric no pleito é maior do que a esperada. Polarizada, uma eleição decorrente de dois anos depois de uma grande onda de protestos, movimento que abriu as portas para uma nova Constituição no Chile. Boric, ao contrário de Kast, endossou o trabalho da Constituinte.

Gabriel Boric e José Antonio Kast

CRÉDITO,EPA / ELVIS GONZALEZ

Legenda da foto,

Eleitores foram às urnas escolher entre Gabriel Boric (à esquerda) e José Antonio Kast (à direita)

O advogado Kast, defensor declarado da ditadura militar de Augusto Pinochet, venceu no primeiro turno, mas agora acabou derrotado pelo ex-líder estudantil de esquerda.

Boric não é apenas o presidente eleito mais jovem da história do Chile, mas também o primeiro a voltar às urnas depois de não ter vencido na primeira disputa.

Após o primeiro turno, os dois candidatos se aliaram a outras correntes ideológicas da política nacional chilena.

Kast aglutinou integrantes do governo do presidente Sebastián Piñera, de direita, a sua equipe, e passou a contar com respaldo até de uma feminista, após ter sido criticado por excluir como mulheres de suas propostas no primeiro turno.

Já alguns setores passaram a chamar bórico de “socialdemocrata” depois que ele buscou o respaldo dos ex-presidentes Ricardo Lagos e Michelle Bachelet, que integraram a histórica coalizão de centro-esquerda Concertación. A corrente governou o país por quase 20 anos, após a saída do ditador Augusto Pinochet (1973-1990).

Na campanha, Boric respaldou e alta como bandeiras de iniciativas reprovadas pelo adversário político, como aborto, casamento gay e a realização da Assembleia Constituinte.

Boric (pronuncia-se Borich) declara-se agnóstico, mas diz que respeita todas as expressões de fé e que “há muito para se aprender na Bíblia”.

Uma de suas frases emblemáticas é: “Sou partidário de que a imprensa tem que incomodar o poder.” As declarações e gestos políticos do candidato, durante a campanha no segundo turno, apontam que pretende atrair outros setores do eleitorado, além da esquerda.


BBC Brasil

vacina já - sisma-mt

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *