Desinformação tem mais engajamento em perfis de direita, diz estudo

Não é novidade para ninguém que o Facebook tem um problema de desinformação. A empresa tenta solucioná-lo de várias maneiras, desde rotular publicações falsas até reduzir a visibilidade desses conteúdos nos feeds dos usuários. Mas um novo estudo de pesquisadores da Universidade de Nova York descobriu que nem toda notícia falsa na rede social é a mesma coisa quando é levada em consideração a ideologia política.

De acordo com a pesquisa, contas classificadas como de extrema direita e disseminadores frequentes de desinformação têm muito mais probabilidade de gerar curtidas, compartilhamentos e outras formas de engajamento nas suas páginas do Facebook do que fontes de direita de informações confiáveis ??- que por sua vez, são melhores em gerar engajamento do que as fontes de esquerda de desinformação.

Os resultados fornecem evidências de que as fontes de direita de desinformação são alguns dos criadores de conteúdo mais envolventes no Facebook, disse Laura Edelson, pesquisadora da iniciativa Cibersegurança para a Democracia.

“Minha conclusão é que, de uma forma ou de outra, as fontes de desinformação de extrema direita são capazes de se envolver no Facebook com seu público muito, muito mais do que qualquer outra categoria”, disse Edelson. “Isso provavelmente é muito perigoso em um sistema que usa engajamento para determinar qual conteúdo promover.”

A CNN entrou em contato com o Facebook para comentar a pesquisa, mas não obteve retorno.

Os pesquisadores conduziram o estudo analisando cerca de 3 mil fontes de notícias e informações que operam grandes páginas do Facebook e foram revisadas pelo NewsGuard – um avaliador de integridade jornalística usado pelo Pentágono e pelo Departamento de Estado , entre outros, como Media Bias / Fact Check, que fornece avaliações semelhantes de confiabilidade e preconceito da mídia.

Usando o CrowdTangle, uma ferramenta de propriedade do Facebook que exibe dados de engajamento para qualquer postagem pública no Facebook, foram analisados cinco meses de dados de postagem de agosto de 2020 a 11 de janeiro de 2021.

Eles descobriram que fontes de direita sinalizadas pelo NewsGuard e o Media Bias / Fact Check como compartilhadores repetidos de desinformação tiveram uma taxa média de engajamento semanal de 426 interações para cada mil seguidores. Isso é quase 65% maior do que o que os pesquisadores descobriram para outras fontes de direita não associadas à desinformação, que tiveram em média 259 interações semanais por mil seguidores.

Em comparação, as fontes identificadas como estando no centro político e não consideradas compartilhadores de desinformação consistentes tiveram uma média de apenas 79 interações semanais para cada mil seguidores.

Esquerda

Fontes identificadas como compartilhadores frequentes de desinformação de esquerda tiveram um engajamento ainda menor – atingindo cerca de 60 interações por mil seguidores no período de cinco meses.

O relatório evitou tentar explicar por que a desinformação de direita é tão envolvente – ele simplesmente observou a existência da tendência. O Facebook, disse o estudo, não fornece acesso suficiente aos seus dados para determinar se, por exemplo, os algoritmos da empresa podem estar favorecendo a desinformação com uma certa tendência partidária.

O estudo alerta que engajamento não é o mesmo que prevalência. Só porque uma postagem no Facebook pode gerar muitos comentários ou compartilhamentos não significa necessariamente que foi vista amplamente. O Facebook também não disponibiliza esse tipo de dados, de acordo com o relatório.

Se assim fosse, disseram os pesquisadores, a empresa poderia ajudar o público a entender o alcance da desinformação. Também não parece que o volume tenha algo a ver com isso; Edelson afirma que a pesquisa mostrou que as fontes de desinformação de direita tiveram mais engajamento por postagem, não que as fontes estavam “inundando a rede” com muitas postagens que recebem pouco engajamento.

O Facebook afirmou no passado que o conteúdo de notícias representa apenas uma pequena parte do que a maioria dos usuários veem em seus feeds e, em qualquer caso, desde 2018, o CEO Mark Zuckerberg tem pressionado para mudar a experiência do Facebook para interações “pessoais” e longe de engajamento com as postagens da mídia.

Mas desde 2018, o problema da desinformação só se tornou mais intenso para as plataformas de mídia social. E esse novo estudo sugere que, quando se trata de alegações falsas ideologicamente concorrentes, os conservadores podem ter a vantagem.

“Qualquer algoritmo que priorize o engajamento na determinação do que promover não corre apenas o risco de dar prioridade à desinformação”, disse Edelson. “Será, em nosso atual cenário de mídia, também uma inclinação partidária.”

(Texto traduzido, leia o original em inglês)

 

Relatório comparou interações de conteúdo publicado no Facebook em contas de direita e de esquerda

Brian Fung, do CNN Business

Leia Mais:

O mundo BANI e a Educação Híbrida: Realidades que desafiam e impulsionam

50 startups: Trybe quer acabar com a falta de programadores no Brasil

“Maior investimento da história de MT” – Para Quem??

Oposição pede que MEC seja investigado por perseguição a universidades

Flávio Dino, FHC e Lula fortalecem tese do radical de centro para 2022

Desembargador que fechou comércio noturno de Cuiabá recebeu R$ 330 mil no contracheque de dezembro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *