Comunistas chilenos condenam novos atos de violência policial

O Partido Comunista do Chile (CP) condenou hoje duramente a morte de um artista de rua baleado por um policial, e pediu uma revisão completa da instituição policial no país. O assassinato do jovem Francisco Martinez na cidade de Panguipulli, na sexta-feira, na região de Los Rios, trouxe uma onda de protestos e violência naquela cidade e em outras partes do país.

Toda a oposição também rejeitou as repetidas violações dos direitos humanos por parte das forças policiais.

Em um comunicado de cinco pontos, o CP expressa sua solidariedade com a família e os familiares da vítima e relatos ‘ a flagrante violação dos direitos humanos que, mais uma vez, a instituição de Carabineros de Chile se compromete contra cidadãos indefesos cujos fiadores mais mínimos foram afetados, como o direito à vida. ’

Também rejeita o ‘ uso criminoso e abusivo de procedimentos ’ que vão além dos padrões básicos de uma força policial, cujas ações ameaçam o cotidiano das pessoas, cujos direitos, como o uso de vias públicas ou de trabalho, são ameaçados, presos, abusados ou mortos.

A instrução pede ‘ o total re-fundação da instituição policial, que é cada vez mais delegada devido aos casos de corrupção envolvendo-o e suas ações policiais autônomas, sem qualquer controle civil. ’

A este respeito, aponta que ‘ a única possibilidade de avançar numa democracia saudável para o nosso país exige esta re-fundação e não pequenas reformas, incapaz de modificar a força policial repressiva ’.

Finalmente, exige que o Ministério do Interior e o Diretor Geral de Carabineros assumam a responsabilidade por estes acontecimentos, primeiro, e em segundo lugar, o Presidente Sebastian Pinera e o seu Governo, ‘ cujo legado inesquecível será as reiteradas violações dos direitos humanos que chegamos a conhecer tão bem. ’

O velório de Francisco Martinez está a decorrer hoje na comuna de Puente Alto, nesta capital, cidade onde os protestos e confrontos também ocuparam ontem em vários locais para repudiar as ações violentas da polícia e para que os culpados sejam continuados.

Fonte: santiagotimes.cl

Leia Mais:

Xiaomi processa governo dos EUA e nega ser empresa militar da China

Paulo Paim: “Brasil vai ter que enfrentar o debate sobre abordagem policial”

Atos pró-impeachment de Jair Bolsonaro se espalham por 15 capitais neste sábado

Policial é preso suspeito de ter disparado tiro que matou menina em Niterói

Judiciário valida atos da Receita e esvazia tese de Flávio Bolsonaro para anular provas da ‘rachadinha’

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *