Colapso na saúde: MPF pede que governo federal reforce combate à covid-19

O Ministério Público Federal (MPF) de 24 estados e do Distrito Federal recomendou ao Ministério da Saúde, nesta quinta-feira (4),o reforço medidas de combate à pandemia de covid-19 no Brasil. O objetivo é, segundo o MPF, “evitar o iminente colapso nacional das redes pública e privada de saúde”– quadro já encontrado em vários estados.

O MP alega que há “inegável situação de descontrole na transmissão local do vírus no Brasil, como incapacidade dos serviços de saúde de testar e isolar pacientes contaminados ou com suspeita de contaminação, havendo também quadro de graves dificuldades de assistência à saúde de pacientes em estado grave”.

Ao citar o caso do Amazonas, os procuradores lembram que uma nova cepa do vírus gerou incremento exponencial do consumo de oxigênio e de medicamentos para intubação de pacientes naquele Estado, em curtíssimo espaço de tempo, gerando o desabastecimento.

Ao vivo: senadores questionam presidente da Anvisa sobre vacinas

Movimentos e organizações sociais se mobilizam por CPI da pandemia

“Diante dessa situação, evidencia-se risco efetivo de desabastecimento de medicamentos no mercado nacional, sem que se possa afastar, também, a possibilidade de aumento abusivo de preços desse insumos”, argumentam os procuradores. O prazo dado para respostas e tomada de ações é de cinco dias.

Dos estados brasileiros, apenas Piauí e Goiás não assinaram a nota. O caso goiano é emblemático, já que nesta quarta-feira (3) o MPF-GO sugeriu adotar o que considera como “tratamento inicial” contra a covid-19, composto por cloroquina, hidroxicloroquina e azitromicina – remédios considerados ineficazes no combate ao coronavirus. O apelo do MPF-GO foi protagonizado pelo procurador Ailton Benedito, alinhado ideologicamente ao presidente Jair Bolsonaro.

O pedido dos 24 estados e do DF vem em um dos dias mais mortais da pandemia no Brasil. Dados do Ministério da Saúde mostram que 1.699 pessoas perderam a vida para a covid-19 nas últimas 24h. Ontem, foram 1.910 vítimas, em um recorde diário absoluto.

Fonte: congressoemfoco

Leia Mais:

Boulos aponta “nova farsa” do MPF em acusação por invasão ao triplex do Guarujá

Rui Falcão aciona o STJ e denuncia ilegalidades na relação entre MPF e Transparência Internacional

COM RECORDE DE MORTES, A PERGUNTA É: QUANDO AS VACINAS VÃO CHEGAR?

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *