Biografia de João Gilberto Noll terá lançamento na FestiPoa Literária

Biografia de João Gilberto Noll terá lançamento na FestiPoa Literária

Foto: Ufrgs/ Divulgação

“João aos Pedaços”, primeira biografia do escritor João Gilberto Noll, traz contos inéditos, trechos de cartas e romances inacabados do autor

Foto: Ufrgs/ Divulgação

Após quatro anos de pesquisa, que incluiu dezenas de entrevistas em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre, a primeira biografia do escritor João Gilberto Noll será lançada no próximo dia 16 de maio como parte da programação oficial da 13ª FestiPoa Literária. João aos pedaços (Diadorim Editora, 242 p., R$ 60,00) traz quatro contos inéditos e dezenas de fotos de Noll, além de cartas e trechos do romance inacabado que o escritor deixou. A sessão de lançamento será às 16h, com a presença do autor e do crítico José Castello. A programação será transmitida pelo canal YouTube do evento

O livro está em pré-venda com 25% de desconto sobre o preço de capa.

O autor da biografia exalta a admiração por Noll, que motivou a pesquisa. “Desde O cego e a dançarina que, em maior ou menor intensidade, acompanho de perto seu trabalho. Comecei aos poucos, sondando a família, conversando com pessoas próximas. Quando percebi que havia muito interesse numa narrativa que desse conta da complexidade pessoal do Noll, o trabalho deslanchou”, afirma Ilha.

Além das dezenas de entrevistas, o pesquisador teve acesso a cartas e documentos pessoais de Noll cedidos pela família e por amigos. Noll, que venceu cinco vezes o Jabuti, mais importante prêmio literário do país, era um sujeito reservado e avesso à vida social. Iniciou sua carreira literária na coletânea Roda de Fogo, da editora Movimento, em 1970. Mas lançou seu primeiro livro individual apenas uma década depois.

Noll nasceu em Porto Alegre em 1946. Lançou 19 livros em 37 anos de carreira. Em 1969, transferiu-se para o Rio, morou em São Paulo alguns meses, de onde fugiu devido à perseguição da Polícia política da ditadura, e regressou a Porto Alegre em 1986, onde morreu em março de 2017.

Seu romance Harmada está incluído na lista dos 100 livros essenciais brasileiros em qualquer gênero e em todas as épocas da Revista Bravo. Foi traduzido para inglês, espanhol, francês, italiano e hebraico.

“Não imagino que minha pesquisa seja definitiva, acredito que muita coisa ainda possa ser desvendada sobre a vida do escritor. Espero que inspire outros autores a isso”, afirma Ilha. O autor conta que deixou de lado as preocupações acadêmicas e não procurou fazer um estudo teórico.

Flávio Ilha é jornalista, escritor e editor, autor de Longe daqui, aqui mesmo (2018) e Ralé (2019), finalista do prêmio Açorianos em 2020.

Fonte: extraclasse

Leia Mais:

vacina já - sisma-mt

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *