Atrasado na vacinação, Uruguai assina acordo com Sinovac e Pfizer | Exame

Montevidéu, no Uruguai: país foi exemplo no combate à covid-19, mas teme segunda onda (Getty Images / Correspondente/Getty Images)

Atrasado na vacinação, o governo uruguaio deu detalhes neste sábado, 23, sobre sua campanha de vacinação, uma das mais atrasadas da América do Sul até agora. O Uruguai diz que acertou ao todo a compra de 3,75 milhões de doses da vacina contra o covid-19, após anunciar na sexta-feira um acordo para comprar as vacinas de Pfizer/BioNTech e da chinesa Sinovac, que fabrica a Coronavac — que está sendo usada no Brasil desde o último domingo, 17.

Laboratório chinês Sinovac está certificado pela Anvisa

“O acordo com a Pfizer/BioNtech e a Sinovac consiste em duas milhões de doses no primeiro dos laboratórios e 1,75 milhão no segundo”, revelou o presidente uruguaio, Luis Lacalle Pou, em coletiva de imprensa.

Atrasado na vacinação

Lacalle Pou disse que as 1,5 milhão de doses restantes foram reservadas no fundo Covax da Organização Mundial da Saúde.

O Uruguai, um país de 3,5 milhões de habitantes, vai investir segundo o governo cerca de 120 milhões de dólares para garantir as doses. Com as doses que espera receber, o país terá o total de vacinas suficiente para imunizar 100% da população.

Segundo o presidente uruguaio, a chegada das vacinas Pfizer e Sinovac está prevista para março, embora não esteja descartada a possibilidade de que seja no final de fevereiro.

Divulgação fragmentada de dados da Coronavac pode minar credibilidade

“Em tese, deveríamos estar recebendo no mês de março uma soma de vacinas de até 3% da população”, acrescentou o presidente.

Lacalle Pou ressaltou que, em todo caso, “as negociações continuam com três outros laboratórios e esperamos ter novidades em breve”.

O Uruguai é um dos países latino-americanos mais atrasados em termos de início de campanhas de vacinação contra o novo coronavírus. Ao mesmo tempo, o país foi um dos que melhor se saíram no combate à pandemia, com números de casos melhores do que o de vizinhos sul-americanos.

Ainda assim, o Uruguai tem tido altas de casos desde novembro, e uma segunda onda superior à primeira preocupa. O Sistema Nacional de Emergências anunciou na sexta-feira — em seu relatório mais recente — a detecção de 1.186 novos casos de covid-19, o segundo maior número em um dia desde o início da pandemia. Também foram registradas 17 mortes, um recorde no país.

Ao todo, o Uruguai tem 36.170 infecções e 364 mortes pelo novo coronavírus.

Bolsonaro assina indulto de Natal e livra policiais com crimes sem dolo

Até agora, a América do Sul como um todo tem ficado para trás na corrida pelas vacinas, com vacinações tendo começado com alguma escala somente em Chile, Argentina e Brasil.

O Brasil começou a vacinar somente em 17 de janeiro, embora haja expectativa de que a vacinação seja acelerada uma vez que Instituto Butantan e Fiocruz passem a produzir vacinas localmente.

O país com mais vacinados na região até agora é a Argentina, que começou a vacinar ainda em dezembro com a vacina russa Sputnik V e chegou a 288.000 pessoas vacinadas nesta semana, embora ainda menos de 0,7% da população. A título de comparação, os EUA já usaram mais de 21 milhões de doses de vacinas da covid-19.

Fonte: exame

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *