Artigo | Imagens da vacinação: o que isso significa para o feminismo e antirracismo?

As Imagens da vacinação, desde o último domingo (17) emocionam grande parte do país. De fato, a emoção é legítima, já que são cenas que acendem uma luz no fim do túnel da crise sanitária e humanitária que, até o momento, matou mais de 210 mil pessoas no Brasil.

O grupo prioritário de vacinação brasileira é composto por profissionais de saúde da linha de frente, indígenas aldeados, idosos e pessoas deficientes que vivem em instituições. Sobre o grupo de profissionais de saúde da linha de frente, a Organização Nacional das Nações Unidas com foco nas Mulheres (ONU Mulheres) mostra que as mulheres são maioria nos serviços de assistência em nível global, representando 70% da força de trabalho da área de saúde. Elas estão na primeira linha do enfrentamento à covid-19 como auxiliares de enfermagem, enfermeiras, cuidadoras e assistentes sociais.

A atual crise sanitária transformou radicalmente o cotidiano de vida e trabalho em todo o mundo. No entanto, alguns grupos sociais são mais afetados comparados a outros. E esse efeito desigual tem relação direta com as desigualdades sociais e econômicas anteriores à pandemia. As mulheres, em sua diversidade (pobres, negras, indígenas, por exemplo) são muito impactadas neste contexto pandêmico por causa dessas desigualdades estruturais que se expressam na sobrecarga de trabalho, crescimento da violência policial e doméstica e endividamento das famílias.

É a partir da identificação dessas desigualdades estruturais que, neste breve artigo, convido os leitores e as leitoras para pensar sobre essas imagens da vacinação através de uma lente feminista e antirracista. E o que isso quer dizer?

Leia mais: Taxa de transmissão da Covid-19 no Brasil está aumentando, diz pesquisa

Deve-se levar em conta que assegurar a saúde das mulheres trabalhadoras, negras e indígenas é muito mais do que imagens ambivalentes

Inicialmente, significa ver a presença majoritária de mulheres populares, negras e indígenas sendo vacinadas em várias cidades do Brasil, como, por exemplo, a enfermeira Mônica Calazans (São Paulo) e a enfermeira Penha Atikum (Pernambuco). Essas profissionais da saúde estão na linha de frente do combate à crise em diversos territórios. E, por causa disso, pertencem ao grupo prioritário e são as primeiras pessoas vacinadas no Brasil.

As Imagens da vacinação


Carla Patricia Ribeiro, primeira indígena gaúcha a ser vacinada contra a covid-19 / Gustavo Mansur/ Palácio Piratini

No segundo momento, significa compreender o sentido dessas imagens no âmbito do jogo político e das narrativas criadas sobre a vacinação. Essas imagens devem ser compreendidas, portanto, em um contexto que engloba, por exemplo, a postura vacilante do governador João Doria sobre a inclusão dos quilombolas no grupo prioritário da vacinação e os desvios da vacinação por prefeitos e servidores públicos que não são do grupo prioritário no interior de Sergipe e Pernambuco.

Outra camada importante dessas imagens é o reconhecimento do trabalho e das redes de sobrevivência criadas pelas mulheres nos domicílios, bairros, aldeias e territórios, e que sustentam a “nova normalidade” sem apoio governamental. Na verdade, esse contexto de exploração e violações tende a se aprofundar por causa dos cortes em políticas fundamentais para a sobrevivência, como é o caso do auxílio emergencial.

Leia também: Resistência da mulher palestina: um feminismo anticolonial?

Por fim, em diálogo com esse contexto bastante adverso para as mulheres, deve-se levar em conta que assegurar a saúde das mulheres trabalhadoras, negras e indígenas é muito mais do que imagens ambivalentes. Significa garantir as condições mínimas de sobrevivência para essas mulheres, a consolidação de redes para acesso a alimentos e valorização dos trabalhos realizados por elas. Deve-se, também, considerar o endividamento dessas mulheres e famílias, a partir da criação de políticas de desoneração de contas domésticas básicas (água e energia elétrica) e política de negociação de dívida (aluguel).

*Raquel Oliveira Lindôso é socióloga do trabalho, feminista e doutoranda na Universidade Estadual de Campinas – São Paulo, Brasil

Brasil de Fato

Auxilie na divulgação das matérias e luta em prol do trabalhador colaborando com o site, você pode auxiliar na continuidade dessa luta!

projeto Colaborativo Se Liga Cidadão foi pensado e desenvolvido em defesa do trabalhador brasileiro, não sendo parte do projeto a veiculação de publicidade governamental para que o site não se torne subserviente a grupos, portanto sobrevive através de doações voluntárias onde os colaboradores (individual ou pequenos empresários) recebem sempre um bônus em troca de sua gentileza em auxiliar a manutenção do canal de comunicação, seja em créditos para adquirir produtos digitais na loja Espia Aqui (www.espiaaquiloja.com) ou descontos em cursos online na Espia Aqui Cursos (www.espiaaquicursos.com.br), para uso próprio ou de colaboradores das empresas parceiras.

Conheça Clicando Aqui!

Se Liga Cidadão – Em Defesa do Cidadão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *